Qual o papel do diretor de escola?


A habilidade em liderar é indispensável para um diretor de escola.

Sem dúvida alguma, as questões relacionadas ao campo da educação estão ganhando uma importância cada vez maior no Brasil.
Os cidadãos começam a ter mais consciência política e isso proporciona um cenário muito favorável para que as instituições revejam suas metodologias pedagógicas e estratégias de gestão.

Além disso, a importância do trabalho dos professores quanto à formação das bases sólidas para nossa nação está ganhando cada vez mais notoriedade. Isso revela a urgência da sociedade valorizar o empenho destes profissionais.
Logo, os principais desafios que envolvem o trabalho de um diretor de escola dizem respeito à busca pelo equilíbrio entre a função de educador e gestor, trabalhando de forma eficaz nestes dois aspectos.

Pelo lado da gestão, é indispensável que o diretor encare a escola como uma empresa, pois para que ela se mantenha funcionando corretamente é preciso seguir determinadas regras em nome da eficiência quanto à utilização de todos os recursos envolvidos, sejam eles humanos, financeiros ou materiais.

Por uma outra perspectiva, a do educador, cabe ao diretor a responsabilidade de conscientizar sua equipe de professores, coordenadores e demais colaboradores a jamais tratarem os alunos apenas como um número na lista de chamada, mas sim como indivíduos que se transformarão em importantes agentes sociais.
Para que seja possível conhecer um pouco mais sobre as principais funções que envolvem o valioso trabalho de um diretor de escola, elencamos algumas etapas fundamentais para a execução dessa missão. Acompanhe!

Planejar

A função de planejar é essencial para o bom andamento de qualquer instituição ou empresa, sobretudo uma escola, pois ela lida com um dos bens mais preciosos para a vida de qualquer pessoa: A educação.
Entre as atribuições mais importantes do diretor está realizar o planejamento pedagógico, que consiste em definir junto à equipe de coordenadores e professores, todo conteúdo e atividades que nortearão o trabalho deles durante o ano.
Além disso, caberá também a este profissional o planejamento com relação aos orçamentos, calendários, número de vagas ofertadas e disponibilização dos recursos, garantindo o bom andamento de todas as rotinas no âmbito escolar.

Organizar

A função de organizar diz respeito a “dar corpo” para tudo que foi planejado. Logo, ao diretor de escola cabe a responsabilidade de movimentar recursos humanos, financeiros e materiais no intuito de cumprir objetivos e metas de curto, médio e longo prazo.
O diretor deverá delegar funções e responsabilidades entre todos os colaboradores da escola, abrangendo a equipe administrativa e principalmente os professores e coordenadores pedagógicos que estão na “linha de frente” do processo educacional.
Além de delegar, é necessário cobrar resultados com a finalidade de fazer com que todo planejamento seja cumprido. Logo, acompanhar e exigir o melhor desempenho também é papel da diretoria.

Orientar

Para muito além de todas as atividades de gestão, é absolutamente imprescindível que o diretor exerça um papel de orientador no sentido educativo do termo.
Isso significa dizer que caberá ao diretor de escola estar sempre disposto a ouvir todos os integrantes da sua equipe quanto aos desafios enfrentados no dia a dia.
Não é novidade que os professores sofrem uma grande pressão. Logo, para que eles consigam oferecer o melhor ensino aos alunos, antes de tudo é preciso que eles sejam compreendidos e respeitados.
É fundamental que o diretor faça reuniões em grupo e individuais, reservando um tempo para dedicar aos professores que exercem um papel fundamental não somente para a escola, mas sobretudo para a vida dos alunos e a sociedade como um todo.
É também indispensável que o diretor esteja aberto para conhecer as necessidades dos alunos, colocando-se à disposição para ouvi-los e também atender aos pais, que muitas vezes necessitam de uma orientação pontual quanto ao desempenho dos filhos ou sobre a estrutura oferecida pela escola.

Liderar

Liderar é muito mais que ocupar um cargo a nível de diretoria. Trata-se de uma habilidade desenvolvida e exercitada diariamente.
Por esta razão, ao diretor de escola também é dada a missão de inspirar sua equipe para que todos possam entregar o melhor de si. Isso reflete tanto no aprendizado dos alunos quanto no que diz respeito ao relacionamento entre os colegas de trabalho, tornando a equipe coesa, cooperativa e motivada.
Não poucas as vezes, será necessário que o diretor atue na solução de conflitos seja entre colegas, professores e alunos ou até mesmo professores e pais ou responsáveis.
Para isso, é imprescindível agir com bastante equilíbrio emocional e conhecimento quanto a todas as normas, leis e procedimentos aplicados no âmbito educacional.
Desta maneira, este profissional precisa estar muito bem preparado para todas as situações que exijam autoridade, firmeza e ao mesmo tempo serenidade e paciência.

Favorecer a capacitação

Para que os professores e demais colaboradores de uma escola possam apresentar um desempenho cada vez melhor, é extremamente necessário que o diretor favoreça a capacitação dos profissionais.
Ele poderá fazer uma escala para realização de cursos de aperfeiçoamento, assim como propor políticas de incentivo salarial para professores que melhoram seu nível de formação por meio da realização de cursos de especialização, por exemplo.

Analisar as métricas

Para que a eficácia quanto ao trabalho realizado pelo diretor de escola, professores e demais membros da equipe seja possível de ser mensurada, é necessário analisar as métricas.
As métricas consistem em resultados quantificados quanto a tendências, comportamentos ou variáveis.
Por exemplo, se determinada escola estabeleceu como objetivo de médio ou longo prazo aumentar o número de alunos aprovados no Enem, uma métrica interessante a ser analisada trata-se do índice de aproveitamento do conteúdo, demonstrado nas notas de redação dos alunos do terceiro ano.
Em um país como o Brasil que infelizmente ainda apresenta grandes defasagens quanto ao processo educacional de crianças, adolescentes e jovens, o trabalho e dedicação do diretor de escola torna-se ainda mais importante.
Acima de tudo, este profissional deverá ter profundo amor pelo que faz, conhecendo a fundo as questões mais cotidianas que envolvem o trabalho dos professores em uma sala de aula.
Com toda certeza, nossos mestres precisam ser devidamente valorizados e motivados para que cada vez mais eles possam contribuir para o futuro da nação, formando pessoas comprometidas com a ética e senso de cidadania.

Educação e cidadania: A chave para um mundo melhor.

Compartilhe conosco o que achou deste conteúdo e continue acompanhando nossos posts!

O que é a Gestão Pedagógica?

Uma verdade onipresente: as escolas têm sido cada vez mais criticadas.

Em almoços de família e na mídia, o que não falta são pessoas apontando defeitos que julgam interferir na educação das crianças, em alguns casos, seus próprios filhos:

Os professores são muito moles. Os alunos são muito desinteressados. E talvez o mais importante: os pais são muito omissos porque jogam a responsabilidade nos ombros do professor.

Ver e apontar a necessidade da mudança é mais fácil que arregaçar as mangas e mudar de fato. Conquistar transformações internas na escola é um processo árduo, pois mudar um sistema que pouco aceita sugestões e já é organizado daquela forma requer muita paciência. Até porque há muita resistência do sistema educacional, tanto por medo de tentar o novo quanto por costume a certos velhos hábitos que aparentemente funcionam.

Encontrar uma nova forma de trabalhar a educação refere-se a repensar a forma de ensinar.
Para o professor, isso implica em recriar seu comportamento e atitude em sala de aula e fora dela, na frente do estudante, para entender o que ele deve passar para o aluno e em como fará isso.

 

A escola e seu papel na sociedade

Desde que existe, a escola sempre ensinou muito mais que apenas conteúdos didáticos. Uma de suas obrigações é formar cidadãos conscientes através de competências e habilidades de que o indivíduo precisará para se encontrar na sociedade e tomar atitudes que não prejudiquem a ele e nem aos demais.

Nesse caso, competências e habilidades incluem pensamento ético e moral, que algumas escolas relacionam à religião e aos ensinamentos bíblicos.

É um ambiente de reflexão no qual o professor se transforma em mediador, em facilitador. Ele precisa criar situações que ensinem ao aluno o conteúdo proposto e situações que ele levará para toda sua vida.

 

A gestão pedagógica

Este termo é diferente da expressão “administração escolar” e pretende trazer elementos primordiais para aumentar a eficiência do ensino.

A gestão escolar pedagógica é a vertente com mais importância e significado da administração escolar. Não existe só em escolas regulares, mas também em instituições de cursos livres e profissionalizantes, idiomas ou curso superior.

É a responsável pela organização e pelo planejamento do sistema educacional.

A partir do estabelecimento de metas para aquele ano letivo, a gestão pedagógica administra os recursos disponíveis e procura novos, se for possível, escolhe quais serão as linhas de atuação aplicadas pelos discentes a fim de melhor cumprir essas metas e cria e coloca em ação projetos para complementar as ferramentas escolhidas no decorrer do planejamento.

Responsável pela área educativa da escola e pela educação que a instituição oferecerá aos matriculados, ela visa à melhoria da qualidade de ensino e o auxílio aos membros da comunidade onde a escola está inserida.

Também analisa o desempenho dos alunos, professores e funcionários: de toda a equipe escolar, que, unida, obviamente cria um trabalho muito mais consistente do que se cada um se esforçasse individualmente.

É de sua alçada, portanto: a criação e o estabelecimento dos objetivos gerais e específicos; planos de curso e de aula; avaliação; treinamento dos profissionais; valorização da ética, artes e físico; fornecer uma educação infantil de qualidade; envolver todos os professores na discussão do projeto pedagógico.

Todos os processos pedagógicos são revistos anualmente e, quando preciso, reformulados. As ferramentas de ensino e disciplina são revisadas, melhoradas ou eliminadas, tornando o sistema mais equilibrado e coerente com a linha de ensino exigida pelo Estado.

 

A hierarquia da gestão pedagógica

O Diretor é o “chefe” e seu braço direito é o Coordenador, quando essa função existe na instituição.

Administrar essas funções relaciona-se diretamente à organização e ao planejamento do sistema educacional, dos recursos humanos e tecnológicos necessários e à criação e ao estabelecimento de projetos pedagógicos.

É responsabilidade do Diretor garantir a eficiência desses projetos, mas não sozinho: coordenadores e professores precisam estar presentes na elaboração e na manutenção de todo o processo, apontando quais são os problemas, as melhorias e as necessidades. Os professores, principalmente, quando se trata dos alunos, por serem os profissionais que mais têm contato com eles.

Abaixo, listaremos algumas das principais funções dos diretores das instituições de ensino:

→ Relacionar conceitos, conteúdos e estratégias de ensino

→ Estabelecer, juntamente com coordenadores e professores, objetivos a serem cumpridos no decorrer do ano letivo, visando à melhoria dos processos pedagógicos e da transmissão do conhecimento

→ Encontrar e implantar os melhores recursos em prol da realização desses objetivos

→ Conseguir que profissionais de ensino e membros da comunidade onde a escola foi inserida assumam juntos o compromisso de melhorar a educação fora da escola, seja criando contextos de aprendizado externos seja reforçando os aprendizados transmitidos pelos discentes

→ Despertar o desejo de conhecimento: no professor, de transmitir; no aluno, de receber

→ Avaliar o trabalho exercido pelos professores e funcionários

→ Criar formas de envolver mais os alunos na própria educação, criando projetos externos viáveis ou escolhendo novos materiais e/ou métodos de ensino

→ Criar também um ambiente estimulante, que incentive o aluno e o professor a se relacionarem e trazerem o conteúdo ensinado para suas vidas

→ Manter um relacionamento estreito com os educadores, coordenadores, funcionários e alunos para ter um controle mais rígido da instituição, sem perdas de controle e fugas disciplinares graves

→ Estabelecer o foco de aprendizagem, atentando-se ao currículo e à grade escolar, à metodologia de ensino em vigência e sugerindo mudanças que melhorem a eficiência de todo o processo

A gestão escolar pedagógica não é o único pilar de uma escola, embora seja o principal.

Ela funciona em conjunto com várias outras, como a gestão administrativa, financeira, de recursos humanos, de comunicação e de tempo e eficiência dos projetos aplicados.

O perfeito funcionamento de uma instituição de ensino depende do equilíbrio entre essas diferentes administrações. Para que ele exista, são necessárias reuniões periódicas dos seus responsáveis, nas quais serão revistos os últimos relatórios de resultados positivos e negativos, os avisos de falhas ou potenciais melhorias e as necessidades.